7º Encontro de Mulheres Metalúrgicas da CUT reúne centenas de trabalhadoras

Publicado em 15 de abril de 2019 | Notícias

O salão principal do Sindicato dos Metalúrgicos de BH/Contagem e região ficou lotado durante o 7º Encontro de Mulheres Metalúrgicas, realizado no último sábado, 6 de abril.

Este ano o encontro debateu os efeitos da reforma da Previdência na vida das mulheres e o feminicídio. A deputada estadual Marília Campos e a professora Maria Antonieta foram as palestrantes.

Segundo Maria Antonieta, “o feminicídio é uma prática violente, é um crime como qualquer outra morte e as mulheres têm que se defender. A mulher tem que levantar a cabeça, valorizar a si mesma e denunciar. E o mais importante é “cair fora” de qualquer relação que ameace a vida, a liberdade e os direitos da mulher”.

Marília Campos disse que “é importante que as mulheres saibam que estão perdendo mais com essa reforma do que o restante dos trabalhadores. Com a reforma, vai aumentar o tempo de contribuição, aumenta a idade e isso dificulta que as mulheres tenham acesso a aposentadoria. As mulheres são as que mais recebem pensões e com a reforma terão seus rendimentos diminuídos porque as pensões serão reduzidas pela metade, o Benefício de Prestação Continuada será reduzido de R$998,00 para R$ 400,00. As mulheres perdem mais porque são maioria entre os beneficiários da previdência. Então, nós mulheres, precisamos nos informar e nos mobilizarmos para pressionar os deputados e senadores para não votar nessa reforma da previdência”.

Margareth, secretária de mulheres do Sindicato, agradeceu a presença e participação de todas e todos. “A grande participação das mulheres da base mostra que elas estão preocupadas e interessadas em se informar sobre o combate ao feminicídio e principalmente sobre a reforma da Previdência. Parabéns a cada mulher que dedicou a manhã desse sábado para participar desse momento”, disse.

Participaram do encontro, além de toda a direção do Sindicato, Marco Antônio, presidente da FEM/CUT-MG, Patrícia, candidata à presidência do Sind-UTE, Adelete Paxeco, representando a Frente Brasil Popular Contagem e várias lideranças do movimento social, político e sindical.

Comentários foram encerrados.