TRABALHADORES (AS) LOTAM AS RUAS PARA LUTAR CONTRA RETIRADA DE DIREITOS

Publicado em 17 de junho de 2019 | destaque, Notícias

300 mil pessoas lotaram as ruas de Belo Horizonte, na última sexta-feira, 14 de junho, no dia da Greve Geral, em protesto contra a reforma da previdência e contra os cortes de investimento na educação, propostos pelo governo Bolsonaro.

Os metalúrgicos da CUT somaram forças nesta luta e ainda na madrugada protagonizaram um ato que praticamente fechou a BR 381, na divisa de Contagem com Betim, para dar o recado e dizer “não” a proposta de reforma da previdência do atual governo.

Ainda pela manhã, os metalúrgicos se juntaram a outras categorias e aos estudantes, na praça Afonso Arinos, na capital mineira, para fortalecer a luta contra a retirada de direitos e pelo direito da classe trabalhadora se aposentar.

“O país já não aguenta mais esse desgoverno do Bolsonaro. Até agora suas propostas visam somente retirar direitos do conjunto dos trabalhadores mais pobres. O governo anterior conseguiu aprovar a reforma trabalhista e a terceirização se limites. Este governo piorou a relação entre capital e trabalho em desfavor dos trabalhadores, tudo isso com a promessa de gerar empregos, mas o que vemos hoje é o desemprego aumentando a cada dia, chegando a 14 milhões. Com a mesma promessa, Bolsonaro quer aprovar a reforma da previdência”, lembrou Geraldo Valgas, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos.

Ainda segundo Valgas, “antes de se eleger presidente, Bolsonaro deu entrevista criticando e falando das maldades da reforma da previdência proposta na época do governo Temer, agora faz discurso em defesa de uma reforma ainda pior. Vamos seguir na luta para defender nossos direitos. A resistência da classe trabalhadora já forçou algumas mudanças na proposta inicial da reforma, mas não é o suficiente para assegurar os benefícios da previdência social”, disse.

Além de Belo Horizonte, cidades de todo o país se mobilizaram contra a reforma da previdência. Segundo a Central Única dos Trabalhadores (CUT), mais de 45 milhões de pessoas forma às ruas defender seus direitos.

Comentários foram encerrados.