FIEMG propõe reajuste de 2,92% parcelado. Metalúrgicos querem aumento real

Publicado em 14 de outubro de 2019 | Notícias

A Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG) propôs aos metalúrgicos de Minas um reajuste salarial de 2,92%, parcelado em duas vezes, sendo 2% em outubro e 0,92% em janeiro de 2020. A proposta foi apresentada durante reunião realizada nessa sexta-feira, 11 de outubro.

Ainda na mesa, a comissão de trabalhadores, formada pela FEM/CUT-MG, FITMetal e FEMETAL, recusou a proposta e apresentou uma contraproposta com reajuste de 2,92% em outubro e 1,5% em janeiro de 2020, além de um abono de R$ 550,00 para todos os metalúrgicos.

A comissão de trabalhadores também propôs acabar com a primeira faixa do piso salarial e aceitou reduzir para R$ 550,00 o valor do abono único e especial para trabalhadores de empresas que não têm PLR.

A cláusula denominada Escala de Revezamento, que a FIEMG quer inserir na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), foi recusada pelos metalúrgicos. O texto determina que o funcionário trabalhe 6 dias para ter direito a duas folgas.

A FIEMG quer excluir da CCT a cláusula que garante estabilidade para o trabalhador em vias de se aposentar. Os metalúrgicos de Minas não aceitam tal mudança.

Férias

Com a reforma trabalhista, as férias podem ser divididas em até três vezes. Os metalúrgicos reivindicam que em um dos períodos os dias de descanso sejam de 15 dias.

Na próxima quarta-feira, 16 de outubro, haverá outra rodada de negociação entre os metalúrgicos de Minas e a patronal.

Comentários foram encerrados.